Follow by Email

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Gatos parte II


Foto Elaine Figueira
Existem conversas que tomamos parte somente como ouvintes, ou conversas paralelas que podemos escutar em qualquer lugar, pois como dizia minha avó: "ouvidos não têm cerca".
Esta conversa era sobre animais de estimação, somente cães e gatos. Quem os teve, ou tem, quais teriam ou não teriam. Aí surgiu o assunto de que alguém não poderia ter gatos porque ele (o gato) era muito independente, não parava em casa, saía e voltava à noite (!). Não tive como não entrar, gente, tentei segurei minha língua e meu ego mas vendo o rumo que a estória iria tomar, me enfiei na conversa dizendo: what? Imagine que o gato é assim, independente!
Os gatos são completamente dependentes do dono, principalmente quando têm vínculos de anos ou quando criados desde filhote. Vínculos emocionais e de rotina que os transformam quase em filhos (digo quase porque nossos filhos crescem evoluem, estudam, discutem conosco, viram adultos) e os gatos não. Ficam conosco até um de nós morrermos; eles ou nós.
Espantados por eu ter metido a colher dentro do caldeirão deles, perguntaram se eu achava que os gatos eram assim mesmo. Não acho, faz anos que não acho nada. Eu penso, e tenho certeza naquilo que falo. E junto com a teoria, sempre a prática. Eu pratico a vida!
Continuei afirmando que os gatos saem paras as ruas pois as portas e  janelas estão abertas. Porque não há comida, companhia, brinquedos,  água limpa à disposição para eles, porque existe uma "coisa" velada e de tremenda falta de educação que é deixar os animais irem para as ruas para não limparem seus dejetos.
Isto sim é a verdade! Por isto os gatos não chegavam antigamente a 5 anos! E como qualquer ser que sai, correm risco de morte! Podem ser assassinados, envenenados, se perderem, serem atropelados como qualquer um perambulando pelas ruas!
Não existem gatos e cães que simplesmente somem! Eles morrem.
E somente cães das raças pequenas são roubados! e se não forem castrados, estes animais serão multiplicados até não servirem mais e serem descartados, vivendo em pequenas gaiolas para terem seus filhotes vendidos!
 Hello! Vamos acordar! Não é a toa que existem tantas comunicações de animais que precisam de ajuda nas redes sociais pois foram colocados fora de casa por pessoas irresponsáveis, muitas delas moradores e empregados das casas.
Já conheci faxineiras e empregadas que quando estão só com os animais, soltam para que possam "limpar a casa". Com duas caras, uma na frente da "patroa" outra quando sai a família, vamos nos enganando e mantendo o considerado normal no sistema. Pronto falei!

E.T. O gato ai de cima, fotografado por mim, está em meu condomínio. Foi criado dentro de um estacionamento desde pequeno, então ele tinha a companhia de donos que só olhavam para ele e quando lembravam, trocavam a água e comida. Até que um "cliente" atropelou quebrando sua perna. Claro que ele pagou todos os consertos, pois dinheiro é tudo, não é mesmo? (ironia). Completamente enfaixado e ainda sob efeito de anestesia, foi colocado novamente no mesmo lugar e claro, se assustou e fugiu vindo parar no meu condomínio que fica há 500 metros contando também os muros altos, de 4 a 6 m de altura.
Lá como temos duas gatinhas há 16 anos, ele se acomodou com a "tranquilidade" e nunca mais quis sair. Sua "dona" veio buscá-lo várias vezes porque ameaçamos leva-la à polícia por abandono de animais, porém ela desistiu pois ele retornava já acostumado com a vida que escolheu para si. É um gato carinhoso, daqueles fofos, de corpo mole que se deixa apertar, quer atenção e gosta de ver a rotina dos moradores saindo e chegando, passando a mão em sua cabeça. Ele é alimentado, vacinado, desparasitado pelas pessoas que cuidam dele, mas já tem cães e portanto, não podem adotá-lo.

Gatos podem viver 15 a 20 anos. Quem abrevia este tempo é o dono. Seja por questões de saúde, socorro lento, ou por deixá-los à própria sorte.

2 comentários:

Lilasesazuis disse...

Concordo com você amiga, em tudinho!!!

Infelizmente as pessoas sentam em cima de certas ideias e criam mofo.

Poucas mudanças de atitudes acontecem em relação aos animaizinhos.

Tadinho desse gatinho. Escolheu o melhor para si.

Gostaria que os gatinhos vivessem de 20 a 50 anos.

Elaine, tenha um ótimo feriado.

beijinhos,

Lígia e turminha :))

Elaine figueira de carvalho disse...

obrigada pela visita