Follow by Email

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Blogagem Coletiva Teia Ambiental - Ainda o lixo


O lixo das grandes cidades cria polêmica e arte!  Em São Paulo,  no Parque do Ibirapuera, o artista Eduardo Srur, elaborou um labirinto com o lixo prensado, onde as pessoas podiam interagir, dentro deste labirinto, tirando para si, suas conclusões e impressões.
Ao percorrermos o labirinto, podíamos pensar que a Cidade de São Paulo produz 15 toneladas de lixo por dia. 
Ainda percorrendo o labirinto pensaríamos em como é termos contato com aquelas paredes altas nos rodeando, presos no meio de tanto lixo sem saber o que fazer exatamente com aquilo que geramos. 
Penso que estamos vivendo uma um momento em que deveríamos produzir somente lixo orgânico, para que não fôssemos enterrados por tanto que geramos.
Sabemos também,  que apenas 2% do lixo da Cidade é separado para as usinas de reciclagem e que uma grande quantidade de lixo já separado não está mais em condições de encaminhar para a reciclagem por estar sujo ou em más condições de reaproveitamento.
A ideia de separar é excelente, mas podemos pensar adiante: não produzir, ou reduzir muito. Como? Vigiando nossas atitudes diárias. Sem com isso prejudicar a higiene. 
E não mais encaminharmos para reciclagem somente, mas pensando.
É claro que nas periferias fica complicado acreditarmos que a maioria vai deixar de produzir, pois o consumismo sem limites, a grande população que não tem acesso à informação, torna essas informações mais distantes e difíceis de serem compreendidas. 
Mesmo assim, não podemos subestimar a inteligência de quem quer que seja no planeta, porém a preocupação e informação de qualidade, precisa  chegar até lá. 
Vale dizer e lembrar que essas populações, muitas vezes encontram-se em áreas verdes, em nascentes de rios, em locais considerados de preservação, mesmo sendo dentro da Capital - São Paulo 
fotos google imagens 
E agora lanço um desafio: imagine-se no meio deste grande labirinto. Quais suas impressões?


GOOGLE IMAGENS 
Chega a ser angustiante
Veja a altura das paredes.


Participe você também da Teia Ambiental. Ideia maravilhosa da Flora de do Gilberto. Acesse, conheça, divulgue e participe. http://floradaserra.blogspot.com.br/

9 comentários:

COLHENDO FLORES ENTRE ESPINHOS disse...

Uma quinta bem suave para vc
bjs
juliana

Flora Maria disse...

Fica difícil imaginar um dia suave após olhar essas imensas paredes de lixo, não é mesmo ?

Minha cara Elaine, concordo plenamente com v. quando ressalta o reduzir e o reutilizar !

Não sei se estou ficando velha ou sábia (ou as duas serão a mesma coisa?)mas fica cada vez mais difícil para mim aceitar atitudes consideradas como normais e aprovadas nesse mundo...
E o desperdício e a falta de cuidado com o lugar onde se vive são exemplos dessas atitudes deploráveis.

Mas, como costumo dizer, que cada um faça a sua parte, e nós, da Teia Ambiental estamos fazendo a nossa, não é mesmo ?

Beijo

Calu disse...

Elaine,
só pelas imagens já temos um ideia da sensação, o que dirá experenciando ao vivo esta realidade;o que é benéfico, pois absorvemos melhor as experiências que participamos. O artista foi perfeito em sua proposta. Tomara que muitíssimas pessoas visitem a obra e reflitam nas palavras de teu texto.
È preciso consciência para reduzirmos o consumo desenfreado.
Òtimo foco.
Bjkas,
Calu

RUTE disse...

Oi Elaine,
ou ler sua participação lembrei do filme de animação infantil WALL-E.

O começo do filme até é um bocado angustiante porque vemos a terra repleta de lixo, sem nada verde ou vivo, apenas com um robot de nome Wall-E que condensa o lixo em blocos de sucata.

Muito interessante a mensagem passada no filme. Se ainda não assistiu, recomendo.

Por outro lado, sua participação também me recordou das casas feitas de garrafas PET. Uma excelente forma de reduzir o lixo!!

Beijinhos verdejantes.
Fico torcendo para que você apareça no dia 15 JUN.
Rute

Josy disse...

Elaine ótimo seu post, e que idéia genial desse artista, fazer esse labirinto,para percebermos a quantidade de lixo que produzimos, acho que ficaria agoniada dentro de um monumento de lixo dessa natureza e tão grande assim. Excelente texto. Bjos amiga

Cláudia disse...

Bem fiquei parva com os valores =s
Eu cá em casa já pus a mãe e a avó a separarem o vidro e os papéis... Menos mal!
A minha mãe, ofereci-lhe um caixote com divisórias e agora o plástico também já separa.... Mas meter esta ideia em pessoas mais velhas custa tanto....

Beijocas

Elaine Figueira disse...

Oi Calu e Josy, era essa a sensação mais frequente quando as pessoas andavam pelo labirinto, talvez por suas paredes muito altas, a angústia é que foi o principal sentimento.

Rute, AMO este desenho do Wall-E e acredito que ele seja um grande toque para a humanidade. A conservação e utilização do velho, o reencontro com o verde, a atividade física que está se esvaindo o excesso de comida calórica para as pessoas ficarem letárgicas e não pensarem. Grande filme.

Flora, estou ficando velha e sábia, graças aos deuses, por isso amo tanto o planeta e sou tão contundente e intensa. Vivo cada dia intensamente ao redor de pessoas sábias como você e as demais que conheço.

Abraços ecológicos a todos.

Luma Rosa disse...

Vivemos no meio desse lixo, só que ele não está entulhado e prensado. O mundo virou uma grande lata de lixo.
Lembro que quando era criança e ia nas férias para a fazenda, não se pensava em lixo, pois ele não era produzido. As cascas dos alimentos serviam como adubo. Não havia restos de alimentos, pois tudo era feito na quantidade porque não tinha como guardar depois - não havia geladeira. Muito menos existiam tantas embalagens de alimentos prontos.
Outro dia li uma matéria sobre copinhos de sorvete comestíveis. Já pensou se tudo fosse assim?
Beijus,

Carol M disse...

Adorei o projeto!

E acho que, só estando dentro desse labirinto para saber quais seriam as minhas impressões.

O que falta ainda é informação correta e educação.

Bjss